QUEM SOMOS

 

O Projeto Leonilson é a instituição cultural considerada como centro de referência de vida e obra do artista José Leonilson.
 
 

A Sociedade Amigos do Projeto Leonilson é uma sociedade civil sem fins lucrativos, fundada oficialmente em 1995 por familiares e amigos do artista. O Projeto Leonilson, no entanto, começou funcionar em 1993, poucos meses após o falecimento de Leonilson. Surgiu com a missão de manter viva a memória do artista por meio da pesquisa, catalogação e divulgação de sua obra, contextualizando-a no cenário histórico-cultural brasileiro. 

Desde sua fundação procurou cercar-se de colaboradores e profissionais não só especializados em cada área de atuação, mas dedicados e apaixonados pela causa. Dentro do contexto cultural e da abrangência da arte contemporânea, respeitando as limitações de recursos disponíveis, buscou adaptar metodologias e procedimentos, criando padrões de catalogação e processos a fim de atender seus objetivos de maneira plena, prática e precisa.

O trabalho de pesquisa e catalogação de vida e obra de Leonilson é constante, e a partir do momento que o Projeto Leonilson conseguiu reunir um corpo significativo de documentação e registro, o trabalho de atualização de dados e informações passou a ser parte importante das atividades desenvolvidas. A evolução dos meios de comunicação e o avanço das tecnologias facilitou o acesso a instituições, museus e coleções nacionais e internacionais; frequentemente surgem novas obras e colecionadores, novos dados e informações adicionais a catalogar. São realizadas diversas exposições e eventos que contam com participação de obras do artista e a lista de bibliografia relacionada aumenta consideravelmente a cada ano.

Desde quando foi criado o Projeto Leonilson já catalogou cerca de 4 mil trabalhos entre desenhos, pinturas, bordados, esculturas, gravuras, assemblage e colagens, garatujas, estudos e projetos atribuídos ao artista, distribuídos em aproximadamente 520 coleções – também documentadas – entre públicas e privadas. Possui registro de cerca de 750 exposições e eventos, e mais de 4400 itens bibliográficos e documentais.

Importância do acervo

O Projeto Leonilson possui um acervo múltiplo: artístico, biográfico, bibliográfico, pessoal e documental, que conta com os mais diversos itens e peças que testemunham não só a trajetória do artista, mas o período em que viveu e a singularidade social, política e cultural dos anos 1980 e 1990.

As obras de Leonilson alcançaram grande reconhecimento artístico no universo das artes, o que prova sua inclusão em importantes museus e coleções de arte em todo o mundo, além das inúmeras exposições em que figuram e da bibliografia dedicada ao artista. São consideradas fundamentais à compreensão da arte realizada no Brasil no período e podem, ainda, ser tomadas como registro da visualidade e das práticas de uma geração.

As obras pertencentes à família do artista e todo o seu arquivo pessoal foram reunidos em coleção entregue à guarda do Projeto Leonilson para que fossem devidamente pesquisados, catalogados, acondicionados e conservados.

O arquivo pessoal desvenda a genética da obra do artista, seus procedimentos e experimentos artísticos e o desenvolvimento de seu trabalho. Apura sua trajetória, que, ao cruzar-se com a de outros artistas e profissionais do meio, possibilita uma melhor compreensão do momento histórico-cultural brasileiro da época: a celebração da democracia, o resgate do prazer da pintura, o surgimento de novos conceitos e tendências, novos comportamentos e caminhos, o crescimento da importância e do número de galerias e centros culturais, e a internacionalização da cultura.

O acervo artístico, na instituição, é composto por trabalhos de diversas categorias tais como pinturas, desenhos, bordados, esculturas, objetos e instalações, realizados em períodos distintos e em diferentes suportes (papel, lona, tecidos, madeiras, vidros, entre outros), é de extrema importância para a compreensão da obra do Leonilson como um todo e sua trajetória no panorama das artes. Reúne, em um só lugar, um corpo de obra variável e coeso, o que permite um conhecimento mais aprofundado da amplitude da produção do artista e de seu processo criativo.

Além da coleção pessoal-artística, o Projeto Leonilson possui um vasto arquivo documental – digital e impresso –, resultado dos trabalhos de pesquisa e catalogação de obras, exposições, eventos e bibliografia relacionada realizados no decorrer dos anos de sua existência.

Por sua completude e diversidade, o acervo do Projeto Leonilson tem sido objeto de estudo e servido de fonte primária a pesquisadores das mais diversas extrações, estudantes, professores, universitários, intelectuais e curadores.

Apoios, patrocínios e parcerias

Desde sua fundação a sociedade vem realizando diversas parcerias no intuito de expandir seu campo de atuação e realizar, com excelência e propriedade, o desenvolvimento de suas atividades.

Em celebração da oficialização da Sociedade Amigos do Projeto Leonilson, e como reflexo e resultado das pesquisas iniciais, no fim de 1995 a instituição organizou, em parceria com o SESI, a exposição individual Leonilson: São tantas as verdades, na Galeria de Arte do SESI, em São Paulo, foi a maior do artista até aquele momento. A mostra, que posteriormente itinerou para outras cidades do Brasil, foi acompanhada do lançamento do primeiro livro sobre Leonilson, de título hormônio, e autoria de Lisette Lagnado, responsável, também, pela curadoria da exposição. 

No período de 1997 e 1998, teve seu primeiro projeto com patrocínio externo aprovado, assim, realizou, mediante a Lei Mendonça e verba da LINC, o registro fotográfico profissional de parte significativa de obras do artista. O patrocínio possibilitou, também, a contratação temporária de profissionais responsáveis pela organização e acompanhamento das obras fotografadas, bem como a aquisição de equipamentos de informática e museologia para adequação de seu espaço físico. 

Entre os anos de 1999 e 2003, estabeleceu parceria com o Instituto Itaú Cultural, na realização de fotos profissionais das obras do artista que não possuíam tal registro, e no trabalho de digitalização dos cromos e tratamento das imagens das obras com finalidade de gerar arquivo digital em alta resolução.

Em 2006 atuou de maneira intensa nas reivindicações junto ao governo do Estado do Ceará e prefeitura de Fortaleza pela restauração da única obra pública do artista, torre na praia, localizada na Praia de Iracema, em Fortaleza, CE. O restauro da obra foi festejado em um evento aberto ao público com lançamento do livreto com textos sobre o histórico, importância e restauração da obra.

A parceria com o Instituto Itaú Cultural foi retomada no ano de 2010 até 2013, a fim de finalizar os trabalhos de digitalização e fotos profissionais de obras, incluindo, nesta etapa, os objetos do arquivo pessoal, agendas e cadernos, correspondências, textos autorais e parte da bibliografia sobre o artista (artigos em periódicos, livros e catálogos).

O retorno da parceria foi celebrado com uma grande mostra individual retrospectiva e itinerante intitulada Sob o peso dos meus amores, realizada em 2011 no Instituto Itaú Cultural – São Paulo, 2012 na Fundação Iberê Camargo - Porto Alegre, e da produção do curta de título homônimo, dirigido por Carlos Nader.

Em parceria com editoras publicou os livros: Leonilson: são tantas as verdades, de Lisette Lagnado (1ª ed., São Paulo: Sesi/Projeto Leonilson, 1995. / 2ª ed., São Paulo: DBA/Melhoramentos/Projeto Leonilson, 1998), e Use, é lindo, eu garanto, com textos de Ivo Mesquita e Bárbara Gancia (1ª ed., São Paulo: Cosac & Naify/Projeto Leonilson, 1997. / 2ª ed., 2006), Leonilson: o gigante com flores, de Renata Sant’Anna e Valquíria Prates (São Paulo: Paulinas, 2007). Apoiou a realização do curta-metragem Com o oceano inteiro para nadar, de Karen Harley, produzido pela RioArte, em 1997, dos dois documentários O legado de Leonilson e Tantas as verdades, ambos de Cacá Vicalvi, produzidos pela Documenta Vídeo Brasil, em 2003; do curta “Sob o peso dos meus amores” (2011), e do longa “A paixão de JL” (2015) de direção de Carlos Nader e produção do Itaú Cultural.

Em 2014 recebeu patrocínio direto da Fundação Edson Queiroz para a organização, produção e realização do catálogo raisonné do Leonilson, um dos grandes objetivos da instituição desde sua formação.